TUDO COMEÇOU COM O TECIDO

Com mais de 500 lojas e 7000 funcionários em todo o mundo, o Grupo Ermenegildo Zegna teve início no norte de Itália com o sonho e paixão de um homem.

Desde 1910, com apenas 18 anos, a Ermenegildo Zegna fundou a Lanifício Zegna (fábrica de lã) e o que viria a tornar-se num dos negócios familiares mais conhecidos e mais dinâmicos da Itália. Tinha o sonho de que criaria, nas suas palavras, “os tecidos mais lindos do mundo”. teve a ambição de criar os tecidos mais belos do mundo.

A especialidade é fazer tudo sob medida. A escolha dos pormenores, desde os botões até ao tamanho do colarinho: a experiência SU MISURA ajuda a criar um vestuário que se adapta verdadeiramente a você e ao seu estilo.

Muitos dos clientes escolhem os tecidos mais icónicos. O tratamento mais exclusivo é tecer um material só para você, em que os clientes escolhem o padrão, peso e trama específicos do seu tecido exclusivo.

O Feito sob Medida é mais do que um serviço: é uma experiência. Tem início com uma reunião: entre você e o seu alfaiate. A partir desde momento tem início um processo de mãos, paixão e competência, o qual irá demorar cerca de 21 dias desde tirar as suas medidas até à entrega do vestuário personalizado.

Para um casaco de fato existem, aproximadamente, 30 estágios diferentes. Este processo garante que o vestuário mantém a sua estrutura durante a sua vida útil.

“A parte mais entusiasmante de criar o vestuário é quando o tecido é cortado. É aqui que o verdadeiro potencial dos tecidos exclusivos começa a mostrar-se e o espírito do vestuário começa a emergir.”

“Apesar de toda a nossa experiência na tecelagem e acabamento, sem um acompanhamento das matérias-primas, as técnicas mais sofisticadas de nada valem. A origem é tudo. É por isso que a Zegna é fanática quando se trata de obter uma excelente matéria-prima. E está empenhada em garantir a sustentabilidade das suas fontes.”

Cada geração da família tem estado envolvida na consolidação da visão da Ermenegildo Zegna, garantindo que o nome Zegna permaneça atemporal.

A empresa continua a ser gerida pela família e é liderada por Gildo, enquanto CEO; Paolo é o Presidente, Anna Presidente da Fondazione Zegna, e Benedetta é Gestora de Talentos.

O grupo tem três princípios: definir objetivos a longo prazo; manter a empresa na família para garantir a continuidade; e seguir um compromisso ético consagrado num rigoroso sistema de governança corporativa. Estes garantem que a empresa permanece fiel face à visão dos fundadores, ao mesmo tempo que continua a inovar num negócio em constante mutação.

Fonte: Focus Excelencia

BRUNELLO CUCINELLI, O IMPERADOR DO CASHMERE

Formado em topografia nos anos 70, Brunello seguiu o caminho da engenharia, mas nunca sentiu paixão pelo trabalho. Ele cresceu na pobreza. Junto com sua família, ele trabalhava a terra para ter comida na mesa. As coisas não mudaram muito depois que seu pai e os irmãos começaram a trabalhar na fábrica. Foi desde a adolescência, que Brunello Cucinelli prometeu a si mesmo que ele iria se tornar um guardião da humanidade.

Em 1978, contratou dois funcionários e fundou uma marca de roupa de nome próprio, com o objetivo de vender pullovers feitos em lã de cashemere.

No topo do morro coberto por uma floresta de ciprestes há um castelo medieval, que Cucinelli reformou e transformou em sua moradia e em uma escola. Escola que tem como principal objetivo treinar os seres humanos, restaurar a dignidade e nobreza para trabalhar em direção a construção da excelência.

Uns metros mais abaixo, artesãos tecem suéteres de cashmere com a pelagem das raras cabras hircus. Ele pede que todos os 1.000 funcionários saiam do trabalho às 17h30 e que não mandem emails relativos ao serviço após esse horário, a fim de preservar suas energias criativas. “As pessoas precisam descansar”, diz Cucinelli. “Se eu os obrigo a trabalhar demais, eu roubo a alma deles. Hoje trabalhamos demais. Estamos permanentemente conectados, e é preciso descansar para ser criativo”, diz.

Cucinelli chama a sua abordagem centrada nos funcionários de capitalismo humanístico e relaciona-a com sua adolescência. Ele viu o pai trocar a vida da família por uma fábrica de cimento. Quando era adolescente, seu pai o levou junto aos seus 13 irmãos para a cidade, onde passou a trabalhar numa fábrica escura de cimento. “Todos os dias meu pai voltava para casa humilhado, sendo ofendido e maltratado constantemente por seus superiores. Os colegas faziam gozação de suas roupas de camponês.” Foi aí que jurei que qualquer coisa eu fizesse na vida, faria para dar dignidade às pessoas”, explica Cucinelli.

Quase 40 anos depois, a marca conta com 122 lojas em todo o mundo e mais de mil empregados que garantem cerca de 450 milhões de euros de faturação anual e um crescimento a rondar os 10%.

Cucinelli se tornou um dos estilistas e empresários mais amados da Itália também por sua paixão pelo território onde nasceu e fundou sua empresa.

Ele pode não ser tão famoso como os designers italianos Giorgio Armani ou Roberto Cavalli, mas ele é definitivamente mais memorável. A cada ano, Brunello Cucinelli doa 20% de seu lucro para a fundação da empresa que se engaja em projetos sociais, e de caridade.

A linha Brunello Cucinelli é moderna, mas ao mesmo tempo é uma marca de moda atemporal e, atualmente, oferece uma coleção completa de acessórios, bolsas, sapatos, agasalhos, blusas e muito mais, para homens e mulheres. Não há nada complicado sobre o vestuário e outros produtos que são simples e elegantes, fáceis de usar e extremamente confortáveis. Suas cores favoritas são em tons de bege, nude e preto.

Brunello Cucinelli é descrito como o imperador do cashmere, que sonhava em fazer lucro, continuando ético, digno e moral. Ter alguém no mundo da moda, que ainda considera tais valores não é apenas raro, mas é inspirador. Não são poucos os que ao entrarem em contato com Cucinelli se sentiram tocado ou, pelo menos, inspirados a ser melhor e a fazer melhor, criando uma ligação entre sua alma e seu trabalho, típico da excelência.

“Há uma bela expressão de Voltaire que diz que, se de seu tempo não aceitares as mudanças, provavelmente ficarás com a parte pior”, diz Cucinelli. “Por isso, não posso dizer que não acredito em tecnologia. Quero ser contemporâneo, mas sem perder a alma”, conclui.

Fonte: Focus Excelencia

  

BULGARI: “PROCURAMOS JOVENS ARTESÃOS COM MÃOS INTELIGENTES”

A maior fabrica de jóias da Europa com 14 mil metros quadrados de ourives, desde 2013 em Valência, para ser alimentada com novas idéias e energias.

Se eu olhar para trás vejo a história de um projeto ambicioso e futurista.

Foi ainda em 2013, quando decidimos que a maior fabrica de jóias na Europa seria construída aqui, em Valência, sobre os restos abandonados de uma antiga casa que segundo a lenda, foi a sede da primeira oficina de jóias na região.

Gostei da idéia de criar essa ponte entre o passado e o futuro. Um lugar onde a cultura, a habilidade, a experiência, assim como tecnologia aplicada a arte de ourives poderia ser transmitida de geração em geração. Poderia alcançar um nível ainda mais elevado de perfeição e tornar-se um símbolo da excelência italiana em termos de artesão e design.

Hoje, o sonho é uma realidade de 14.000 metros quadrados de ourivesaria. Esse laboratório é único no único no mundo e deve ser alimentado comr novas idéias e energias. Precisamos de pessoas novas e com talentos.

Procuramos mãos inteligentes, que sabem antes de tudo amar, mas não só, que saibam que o futuro no comércio é feito de paciência, resiliência e muita dedicação, além da criatividade e paixão.

Contamos com voces, com a visão e humanidade de vocês para dar voz e dignidade para um dos comércios italianos mais antigas e nobres. O ourives é um artista contemporâneo: uma pessoa que usa uma técnica antiga para propor novas soluções.

Maiores informações: recruiting_valenza@bulgari.com

 

Food Design

 

“Food Design – Valduga Alle Origine – Cammino Di Caravaggio”: uma experiência que uniu conhecimento, gastronomia e vinhos. A ideia foi mostrar, na teoria e na prática, a importância da excelência nas empresas, nos produtos e na vida!

Os convidados, clientes e formadores de opinião eram recepcionados com  deliciosos antepastos da Casa Madeira e espumantes RSV Blus, e pela violinista Caroline Biehl , com mais de 20 anos de experiência.

Em seguida, a diretora da Focus Excelência, Marinez Pretto, socióloga, antropóloga e pesquisadora apresentou uma breve palestra sobre “A construção da excelência hoje e os novos paradigmas do futuro”. Marinez destacou que excelência “É FAZER MELHOR QUE POSSO COM QUE O QUE TENHO”, destacou que é necessário ter esforço, empenho, técnica e alma no que faz.

Depois foi a vez de Valquiria Perin Eilert, psicóloga com formação em neuropsicologia, apresentar o tema ‘O cérebro, o paladar e as memórias’. A profissional destacou a importância da gente ‘sair do automático’ e dar mais atenção aos pequenos detalhes do dia a dia.

O menu começou com um antepasto, batizado pelo chef de “Santa Maria della Fonte”: trata-se de uma cestinha de queijo parmesão, recheada com uma polenta com creme de mascarpone, alho assado e presunto cru. O prato foi harmonizado com espumante 130 Blanc de Noir.

Food Design e Excelência

Os consumidores e as forças de inovação


Francesco Morace, presidente do Future Concept Lab de Milão a convite da Focus Excelência, apresentou para mais de 150 pessoas “Os novos consumidores do futuro e as forças de inovação”. Durante o evento, o público seleto pôde conferir as últimas atualizações sobre as principais tendências de consumo e voltar o seu olhar para um novo consumidor. Além de observar algumas quebras de paradigmas.

Na imprensa

Imagens

Painel da Excelência

Em outubro de 2015 foi realizado em Bento Gonçalves o workshop: PAINEL DA EXCELÊNCIA
Duas palestrantes e três cases:
– Palestrantes: Marinez Pretto, que abordou o tema “A Construção da Excelência e o DNA Brasil” e Flama Savio, que abordou o tema “A Excelência e o Design”
– Cases: Eduardo Valduga apresentando o case da Famiglia Valduga, e Priscila Manfroi apresentando o case do Grupo SCA.

E para concluir, Elisabeth Sohber : A excelência e os queijos franceses

Na imprensa

Imagens