Os brasileiros detêm sempre um com grande entusiasmo, mas depois de algumas horas ou semanas, diante de algumas dificuldades, desistem, esquecem ou abandonam. Se começa sempre do zero. Dessa forma não iremos a lugar nenhum.

É o momento de nos concentrarmos sobre UM NOVO ‘DESAFIO’: A EXCELÊNCIA. Precisamos nos colocar ao redor de uma mesa e projetar o futuro do País.

Os brasileiros despertaram para a cultura do bom gosto, dos bens materiais e dos bons processos produtivos. Não é somente o desejo de ter uma Gucci ou uma Fendi. Mas de buscar uma nova cultura do saber fazer, do saber reconhecer bons materiais. Uma questão mais cultural do que comercial. Uma vontade de desenvolver internamente produtos e processos bem feitos que talvez até então faltavam, é disso que os brasileiros têm fome. Os brasileiros estão reconhecendo quais são as mercadorias que realmente têm um valor intrínseco e que vai muito além da marca.

A fase do simples fascínio do que chega de fora já foi superada porque os brasileiros estão começando a ter mais orgulho da própria cultura e das próprias raízes.

Se tivermos a coragem de colocar mão nesse ‘processo cultural’ da construção da excelência partindo do artesão, mandaremos no mundo porque nós temos um diferencial em nosso DNA: o brasileiro é aberto ao diferente, ao novo, busca relacionamentos, possui criatividade e originalidade. Características essas que fazem parte da excelência.

Isto poderá acontecer, se o Brasil deixar de lado a sua superficialidade, o seu modo de ser imediatista para colocar em relevo o seu próprio modo de ser, seu DNA que é antes de tudo RELAÇÃO: sua criatividade, sua diversidade, seu colorido, sua liberdade.